Espanha: Barcelona – O que você precisa saber antes de ir para lá

Hellooo !!!!

Post focado nas informações básicas que você precisa ter para programar a sua viagem para Barcelona.

Já estive duas vezes na cidade e em duas situações completamente diferentes: a primeira foi um mochilão pela Europa que terminou em Barcelona, no melhor esquema mochila nas costas, albergue, perrengues e alimentação meia boca com a minha irmã e uma amiga quase irmã.

A segunda foi agora em fevereiro de 2017 com o esposo e gestante de 5 meses, ou seja, com direito a hotel mais do que decente, alimentação certinha e meia, muita caminhada mas também muito táxi e metrô.

Esta introdução é mais para dizer que a cidade é extremamente receptiva com todos os tipos de turistas e turismo. No esquema mochilão a gente teve zero problemas por lá e agora também não. Nas duas vezes as viagens foram bem tranquilas.

1. Como chegar

Chegar em Barcelona não é das tarefas mais difíceis.

Partindo do Brasil você pode ser dar ao luxo de pegar um vôo direto para a cidade (Iberia e Latam) ou então cotar as várias companhias aéreas que fazem vôos do Brasil para a Europa (outras cidades, como a British Airlines, TAP, Swiss, Air France, KLM ….) e de lá seguir para Barcelona em alguma empresa low cost ou na mesma companhia que você voou do Brasil.

A maior companhia “low cost” espanhola é a Vueling e eles têm vôos para praticamente todos os lugares que você imaginar, então se por acaso você achar somente uma passagem da KLM do Brasil para Amsterdã e o trecho Amsterdã – Barcelona estiver muito caro, vale a pena dar uma olhada nesta perna pela Vueling. Sempre conseguimos preços mega ok, nas duas vezes que fui usei a companhia e não tenho do que reclamar.

2. Documentação

Brasileiros não precisam de visto para ingressar na Espanha desde que a permanência seja inferior a 90 dias. Acima disso é obrigatória a solicitação do visto.

Além do passaporte válido é obrigatório também para ingressar no país um seguro viagem que siga o Tratado de Schengen que já comentamos aqui.

3. Moeda

A moeda local é o euro.

O câmbio continua mais ou menos louco, mas o euro anda mais estável, na casa dos R$3.60 a R$ 3.90, depende muito do dia do que aconteceu no cenário econômico mundial.

A moeda é facilmente encontrada nas casas de câmbio de todo o país e você também pode sacar quando chegar lá se achar mais conveniente e as taxas do cartão valerem a pena.

4. Segurança

Em relação à segurança não tivemos nenhum problema por lá mas, assim como em qualquer lugar do mundo, tem que ficar esperto. Não sentimos medo ou insegurança mas somos pessoas informadas e sabemos que devemos sempre tomar muito cuidado com os nossos pertences pessoais.

A nossa dica é muito básica: sempre que chegar no hotel, pergunte como é a redondeza, se é perigoso. Pode ser que em determinada época esteja mais perigoso que em outra.

5. Deslocamentos

Para fazer o trajeto do Aeroporto para o nosso hotel pesquisamos no Google Maps previamente e vimos que não valeria a pena ir de metrô pois teríamos que fazer baldiação e além disso eu estava gestante e carregando mala. Preferimos ir de táxi e o valor ficou em torno de 25 euros. Nos hospedamos no Fairmont Rey Juan Carlos, que é um hotel excelente mas que está longe do burburinho da Plaza Catalunya.

Do hotel para os passeios turísticos e para o centro sempre usávamos o metrô que era uma linha reta e quase sempre sem ter que fazer troca de linha. Se fizemos uma ou duas baldiações foi muito.

Quando você estiver na área central da cidade é possível fazer tudo a pé. A cidade é bem plana, tirando uma ou outra atração que tem umas laderinhas e subidas para ninguém botar defeito (como Parc Guell, por exemplo). Quando o caminho era muito roots a gente ia de táxi. Como estávamos em dois, muitas vezes valia a pena.

Para sair de noite também usamos bastante táxi e não foi nada super inflacionado. Super Ok. Os maiores valores mesmo ficaram nos deslocamentos aeroporto- hotel – aeroporto.

Desconheço quem tenha alugado carro e apesar da cidade parecer ser tranquila para dirigir fico um pouco na dúvida em relação aos estacionamentos perto dos pontos turísticos, não sei se vale a pena.

Apanhado geral sobre o país, primeiras impressões. Na sequência falaremos um pouco mais sobre os passeios e dicas de restaurantes.

Deixe uma resposta