Planejamento de viagem com bebê – Parte 1: Viajando de carro para a praia

Oiii !!!

 

Dando sequência ao nosso post anterior sobre como tirar passaporte de menores, hoje vamos contar um pouco sobre como planejamos as nossas viagens, ainda mais agora com um bebê, para que tudo flua pelo menos próximo do perfeito.

Óbvio que mesmo quando estamos só em adultos estamos sujeitos a imprevistos e contratempos. Com criança a coisa tende a ser um pouco pior já que eles são mais vulneráveis a ficarem doentes, a estranharem o fato de estarem fora de casa …

Na minha opinião quanto antes você acostumar o seu filho com outros ambientes, menores são as chances dele estranhar mas como cada criança é de um jeito não existe muita regra.

Em casa aproveitamos os primeiros meses do nosso bebê para fazermos viagens curtas, de carro, para a casa de praia da família. Todas as vezes deram certo. Lógico que o berço era diferente, o sono ficou diferente mas não muito pior do que normalmente é em casa.

Nas nossas idas para o litoral de São Paulo fomos em feriados prolongados o que por si só já é aterrorizante para nós adultos por conta do trânsito. Para minimizar o tempo e estresse de ficar dentro do carro, preso à cadeirinha, saímos sempre em horários alternativos (exemplo a hora que ele acorda para tomar leite as 5 da manhã) e assim fugimos do trânsito mais pesado e geramos menos aborrecimento pro nosso bebê.

Na praia, vamos sempre antes das 11 da manhã (horário de verão) e depois das 17 que são os horários que o bebê pode tomar sol com mais segurança e mesmo assim besuntado de protetor solar, com roupa com proteção UV e com a capota do carrinho protegendo o rosto.

Mesmo fora de casa somos meio noiados em manter a mesma rotina, então respeitamos super os horários das sonecas (ele tem 7 meses e ainda faz duas sonecas por dia), o horário das frutas e das refeições e ao longo do dia, para amenizar o calor, oferecemos muita mas muita água mesmo (por sorte ele adora !).

Em relação à bagagem eu confesso que preciso evoluir um pouco rs. Saio sempre de casa com muito mais coisas do que eu realmente preciso. Então preciso ser mais focada. Acabo levando tudo de casa para não ter que sair para comprar nada mas pode acontecer de esquecer alguma coisa e aí, dependendo de onde você estiver, você até consegue comprar mas é sempre bom avaliar o seu destino para não correr o risco de ficar sem alguma coisa importante, tipo a fórmula láctea por exemplo, e não conseguir comprar.

Para arrumar a mala não tem jeito mais fácil do que ir abrindo os armários da criança e ir pegando.

Independente das condições climáticas, eu sempre levo roupas de calor e de frio. Aqui em São Paulo o tempo é muito imprevisível e do nada muda. Então se estiver previsto calor, eu foco em roupas de calor, mas levo pelo menos 2 roupinhas mais quentes just in case.

Além das roupas, levo sempre um pacote grande de fralda descartável fechado, uma lata de fórmula fechada, todos os remédios que ele está acostumado a tomar ou que já teve que tomar alguma vez, cortador de unha, termômetro, algodão, lenço umedecido, repelente, protetor solar, cotonete, trocador portátil, fraldas de ombro e de pano, cobertor e alguns brinquedos (normalmente os que ele está mais dando atenção).

Minha dica é que você pegue pelo menos um item de cada de roupa e se precisar lavar, lave no quarto ou mande para a lavanderia, caso esteja em hotel, assim você evita carregar peso desnecessário.

 

Cada criança se comporta de uma maneira, cada pai conhece melhor do que ninguém o seu filho, então a nossa dica de ouro é respeitar super a criança, respeitar os horários, as vontades. Longe de casa, do canto dela, pode ser que ela mude de comportamento, saiba observar e respeitar isso para que a viagem flua com o mínimo de aborrecimento.